quarta-feira, 28 de junho de 2017

Solidão

Durante muitos anos, eu não sabia o que era ficar sozinha comigo mesma.

Sempre, sempre mesmo, precisava de alguém ao meu lado para tudo: ir ao supermercado, ao cinema, ao shopping, ao parque, a padaria. 

As coisas começaram a mudar quando tirei a carteira de motorista -que hoje nem sei aonde está- porque ai eu ia e voltava do trabalho sozinha, comecei a ir para alguns lugares sem ninguém. Porém ainda me incomodava essa questão de estar sozinha.

Hoje creio que seja algo cultural, que desde pequenos somos sempre muito assistidos e ai crescemos achando que para ser feliz ou ter momentos felizes precisamos estar acompanhado. 

Mas nunca considerando nossa própria pessoa uma boa companhia.

Em Londres, muita coisa mudou na minha vida, em mim. Quer dizer, começou um pouco antes, na Espanha. Ou eu ia sozinha ou não iria então aprendi, na raça, a ir mesmo sozinha. Descobri que era bom, aprendi aos poucos a gostar de estar só.

Aí lá em Londres, conheci uma pessoa aqui de Curitiba, inclusive, que ia ao cinema toda semana sozinha, ia ao museu, a um café tomar um café e ler um livro, tudo sozinha. Ouvir ela contando o que fazia me deixou surpresa no início ao mesmo tempo que me encantou. Fui perdendo meu medo e me dei conta que poderia ser feliz sozinha também, não era preciso sempre deixar a responsabilidade de ser feliz para o outo. 

Criar expectativa é um troço horroroso, faz um mal danado.

Agora preciso confessar que quando estamos/ somos sozinhos precisamos de muita disciplina. Digo isso porque é a quarta vez, acho, que o Nicolas viaja com o Paulo e eu fico sozinha e dessa vez acho que está sendo a pior em termos de alimentação e organização. 

Fiquei perdida com tanto tempo para mim, perdida com os horários, perdida e estou tentando me achar.

Estar sozinha é bom, ainda prefiro estar com a minha família completa, mas o silêncio matinal é precioso, faz cinco dias que não ligo a tv e nem estou sentindo falta.

Agora o engraçado é sair para comer e ver os olhares de estranhamento e quase de piedade das pessoas. É como se estar sozinho é estar abandono, triste, solitário.

Quanta coisa estou aprendendo nessas semanas.

Deu até tempo de escrever, olha que coisa boa.

Uma publicação compartilhada por Graziela Flor (@gra_flower) em



5 comentários:

  1. Sei bem como te sentes.. Estamos tão acostumadas com a bagunça e barulhos que quando faltam ficamos perdidas,rs Mas é bom ter um pouco de espaço pra nós mesmas.... Bom te ler! bjs, tudo de bom,chica E esse céu é maravilhoso!

    ResponderExcluir
  2. Gostei tanto, tanto que meu comentário virou uma carta!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Awesome blog and article! Would like to thank you for sharing your views with us and here is some more information about everything in general, you might like too.
    Thyroid Cancer Symptoms Causes and Treatment
    Tobacco Side Effects on Health
    World’s Most Mysterious and Unexplained Photos
    what is Bitcoin and How Does Bitcoin Work

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar, sua opiniao e' muito importante.
Leio todos os comentarios e sempre que possivel respondo aqui mesmo ou no blog correspondente de quem comentou. Muito obrigada pela visita e volte sempre.
Gra

Related Posts with Thumbnails